Toledo

Baptizado de acordo com os seus primeiros povoadores, oriundos da cidade espanhola com o mesmo nome, este lugar, deve ser visitado, de preferência, pela manhã, a fim de se desfrutar da paisagem. Paisagem, esta provida de hortências floridas, humedecidas pelo orvalho, que brilham à luz do sol, dividindo as pastagens.DSC04242

Um dos filhos ilustres deste lugar da freguesia de Santo Amaro, foi José Pereira da Cunha Silveira e Sousa. Nasceu a 11 de Dezembro de 1823, filho de José Pereira da Cunha e Silveira e de Joana Alves Pacheco. Após a conclusão dos seus estudos em 1850, regressou a São Jorge, onde presidiu à Câmara da Calheta entre 1852 e 1854.

Como pessoa culta e interessada, promove a criação da primeira Filarmónica de São Jorge, em 1854, na Ribeira Seca, adquirindo e oferecendo os instrumentos. Em 1864, concorre com a oferta do instrumental para a fundação da Filarmónica Velense (União). Em 1864 fundou o Clube Velense e construiu o Teatro Velense inaugurado em 1865, onde foram realizados espectáculos durante cerca de 80 anos.

Presidindo à Câmara das Velas, promove a iluminação da vila com candeeiros a petróleo, em 1877.

Comemorando o descobrimento do Caminho Marítimo para a Índia, promove a construção coreto que, ainda hoje, embeleza o Jardim das Velas. É também da sua responsabilidade a construção da ermida de São José do Toledo, junto à qual, se encontra o Império do Espírito Santo, cuja porta é encimada por um valioso trabalho de pedra.

DSC04003
Ermida de São José do Toledo
DSC04004
Império do Espírito Santo

José Pereira da Cunha Silveira e Sousa morreu em Fevereiro de 1912.